Segurança na Nuvem: Melhores Práticas e Como Implementá-las

Muitos negócios de diferentes setores utilizam tecnologias em nuvem. Para ser mais exato, há previsões de que mercado cloud valerá mais de US$ 800 bilhões em 2025.

Entretanto, a segurança na nuvem pode ser uma das principais preocupações para seus usuários. 

Manter o ambiente cloud seguro é essencial devido às ameaças de ciberataques, como malwares, phishing e ataques DoS (Denial of Service). Se sua segurança na nuvem não for robusta e confiável, seus dados serão um alvo fácil para cibercriminosos. É por isso que ter um bom entendimento de como proteger dados na nuvem é tão importante para te ajudar a minimizar quaisquer riscos. 

Neste artigo, vamos conhecer as melhores práticas de cibersegurança para produtos cloud e vamos descobrir como implementar essas táticas. Também vamos discutir sobre os motivos para utilização de um sistema baseado em nuvem, além de conhecer seus riscos de segurança com maior profundidade.

Por Que Utilizar Sistemas Baseados em Nuvem?

Um sistema cloud-based processa e armazena dados carregados online. Ao usar um sistema assim, as empresas conseguem monitorar como seus dados são compartilhados e podem administrá-los de qualquer lugar no mundo. 

Por exemplo, os melhores serviços de hospedagem cloud garantem um desempenho acelerado e 99,9% de uptime, isto é, de disponibilidade do serviço para os usuários. Afinal, os dados deles são hospedados em múltiplos servidores online.

Um sistema cloud pode ajudar empresas de qualquer tamanho a crescer mais rápido e de forma mais eficiente. Exemplos de grandes companhias que utilizam serviços em nuvem são Netflix e Zoom. Ambas corporações dependem de um sistema cloud para responder às suas necessidades de armazenamento. 

Há três modelos de implantação cloud:

  • Public cloud – um sistema cloud-based, gerenciado por um provedor de nuvem e compartilhado entre múltiplos usuários. Por exemplo, serviços como SaaS (Software-as-a-Service), PaaS (Platform-as-a-Service), e IaaS (Infrastructure-as-a-Service).
  • Private cloud – um serviço em nuvem exclusivo para um único cliente ou empresa. 
  • Hybrid cloud – nuvem híbrida significa uma combinação dos modelos anteriores, cloud pública e privada.

Agora, vamos discutir com mais detalhes os benefícios de usar serviços em nuvem para seu negócio ou necessidades pessoais. 

Economize Tempo e Dinheiro

Uma empresa não precisa comprar nenhum software ou hardware para utilizar serviços em nuvem. De acordo com suas necessidades, você pode escolher um entre muitos produtos cloud em companhias como Google Cloud Platform, Apple iCloud, ou Amazon Web Services.

Além disso, as políticas de controle de recursos cloud são de fácil acesso, poupando significativamente mais tempo para seu negócio Isso porque, enquanto usuário da nuvem, você não precisa instalar nenhuma aplicação ou fazer o download dos dados. É possível acessar seus arquivos de qualquer lugar e a qualquer momento. 

Melhore a Segurança dos seus Dados

Guardar dados em um armazenamento em nuvem é mais seguro do que armazená-los em um servidor físico. Muitos provedores cloud implementam medidas de segurança nos sistemas, como a configuração de métodos de autenticação e a adição de recursos de segurança personalizados para garantir que seus dados estarão sempre protegidos.

Além disso, um provedor de serviços em nuvem armazena seus dados em múltiplos servidores, isto é, eles possuem backups e protocolos de recuperação de dados para casos de emergência. 

Outro ponto relevante é que se você utiliza um sistema baseado em nuvem, não precisa se preocupar com a segurança física dos seus dispositivos, já que seus dados pessoais ou corporativos estarão seguros online. Até mesmo em caso de enchentes e incêndios, seus dados estarão protegidos e online. 

Altamente Escalável 

Uma empresa consegue se adaptar e se ajustar de maneira efetiva e eficiente com um serviço cloud, já que ele permite que você facilmente expanda seus recursos de TI, como adicionar mais banda larga ou aumentar a capacidade de armazenamento da nuvem. Sendo assim, você não precisa se preocupar com o tempo ou a logística do negócio quando estiver fazendo o upgrade de seus recursos na nuvem. 

Essa flexibilidade e escalabilidade te ajudam a focar no seu negócio, pois reduzem a manutenção interna e os riscos de falhas operacionais. 

Colaboração Facilitada 

O gerenciamento de fácil acesso em um ambiente cloud ajuda os membros de time a se comunicarem de forma mais eficiente. Eles podem facilmente visualizar e compartilhar informações quando estiverem utilizando diferentes dispositivos, além de poder verificar quando qualquer alteração é feita dentro de uma aplicação cloud. Essa transparência ajuda a evitar confusões e conflitos. 

Adicionalmente, você pode construir muitos ambientes na nuvem para objetivos específicos, como ambiente de testes, controle de qualidade e demonstrações.

Atualizações Automáticas

Sistemas baseados em nuvem podem ser atualizados automaticamente assim que suas versões mais recentes forem lançadas. Isso ajuda a acelerar a inovação de produtos, entregando mais recursos para os usuários finais. 

Além disso, ferramentas de DevOps e sistemas de registros e relatórios integrados dentro dos ambientes cloud podem auxiliar no monitoramento e identificação de problemas de produção e de segurança da nuvem. 

Quais são as Ameaças ao Usar Serviços em Nuvem?

Apesar do armazenamento de dados em nuvem atender aos principais requisitos de segurança — como autenticação, autorização e identificação — a possibilidade de ameaças de cibersegurança ainda existe. Especialmente nos momentos em que você estiver migrando seus dados para os servidores cloud. 

Abaixo apresentamos uma lista dos principais possíveis riscos que acompanham a utilização de serviços em nuvem. 

Desconfiguração

Desconfiguração de elementos pode levar a brechas de dados nos sistemas cloud. Este é o principal risco de segurança cloud para os negócios, já que todos os dias 73% das operações das empresas encontram mais de dez problemas de má configuração em seus sistemas.

Normalmente, isso acontece devido a falta de atenção ou conhecimento dos protocolos de segurança cloud, e de controle e supervisão insuficientes por parte das companhias. 

Por exemplo, se sua infraestrutura cloud está configurada para ser facilmente acessada e compartilhada, terceiros desautorizados também podem entrar na rede. Isso pode levar ao roubo ou manipulação de seus dados.

Ameaças Internas

Incidentes de segurança estão geralmente relacionados com usuários internos que possuem acesso a dados sensíveis. Tipicamente, eles ameaçam sua segurança na nuvem sem querer, de forma involuntária. A maior parte desse tipo de problema de segurança surge devido a falta de treinamento ou negligência da companhia. 

Atividades atípicas ou suspeitas no tráfego da rede podem sugerir uma ameaça interna. Por exemplo, quando um usuário entra no ambiente cloud depois do horário de trabalho, acessando recursos sensíveis ou até mesmo transferindo diversos dados e informações. 

Ataques de Negação de Serviço 

Já que os sistemas em nuvem utilizam servidores online, isso os torna vulneráveis a ataques DoS (Negação de serviço). Esses ataques podem inundar a rede cloud da empresa com muito tráfego, até que o servidor fique sobrecarregado e não consiga mais processar tanta informação. Como resultado dessa tentativa de hackear o sistema, uma de suas aplicações, serviços ou rede pode ficar indisponível para os visitantes e para os administradores. 

Ainda que os ataques DoS geralmente não causem nenhuma perda ou roubo de dados ou outros bens de seus data centers, eles podem custar muito tempo e dinheiro para serem resolvidos. Além disso, esses ciberataques podem afetar negativamente as operações do seu negócio.

Perda de Dados

Apesar dos altos níveis de segurança na nuvem, a perda de dados ainda pode acontecer devido a diversos fatores, como:

  • Erros de usuário – isso geralmente acontece quando um usuário acidentalmente deleta dados ou abre um e-mail que contém vírus. 
  • Ações maliciosas – usuários podem intencionalmente deletar ou corromper seus arquivos e dados.
  • Substituição de dados – usuários SaaS têm um risco considerável de perda de dados, já que seus softwares atualizam grandes conjuntos de dados constantemente. Alguns usuários podem sobrescrever novas informações sobre dados antigos e assim criar conjuntos de dados que estão parcialmente sobrescritos no processo. 

APIs Inseguras

Uma Interface de Programação de Aplicações (API) geralmente é utilizada para controlar e monitorar sistemas cloud ao permitir que usuários acessem o serviço na nuvem. Apesar dos provedores cloud estarem continuamente melhorando suas APIs, elas ainda podem aumentar os riscos de segurança na nuvem.

isso porque os usuários da nuvem geralmente já utilizam frameworks específicos para fazer com que seus sistemas sejam menos vulneráveis a ameaças. 

Por exemplo, se uma empresa começa a ampliar o acesso dos clientes, parceiros e funcionários através de APIs, o risco de acessos não autorizados irá aumentar, já que elas poderão utilizar tais APIs para acessar os sistemas e os dados do negócio.

Vazamento de Dados

Um vazamento de dados é um cibercrime que acontece quando um usuário acessa dados sensíveis sem autorização. Esses eventos podem prejudicar a empresa e seus clientes. 

Vazamentos de dados podem acontecer devido a práticas de segurança na nuvem frágeis ou insuficientes, como credenciais fracas, sistemas vulneráveis com brechas e malwares, ou vírus. Lembre-se que um vazamento de dados também pode acontecer propositalmente quando um usuário tenta roubar suas informações. 

Uma grande empresa que tem passou por um vazamento de dados significativo foi o Facebook, num caso em que dados de mais de 500 milhões de usuários foram vazados e expostos. Essa falha de segurança foi causada por uma desconfiguração no importador de contatos da empresa. 

Segurança na Nuvem: as Melhores Práticas para Proteger seus Dados

Agora que já discutimos os diferentes riscos e ameaças que podem afetar o seu negócio, vamos aprender como se prevenir frente a essas falhas e conhecer as melhores táticas para manter sua segurança na nuvem. 

Nesta seção, vamos te mostrar como proteger seus dados e armazená-los em segurança no seu ambiente cloud.

1. Entenda os Riscos e as Responsabilidades 

Quando for implementar as melhores práticas de segurança na nuvem, avalie os riscos e as responsabilidades com todos os funcionários que possuem contas cloud para evitar incidentes de segurança. Além disso, lembre-se que seu provedor também desempenha um papel importante em manter seu ambiente da nuvem seguro.

Você deve saber quais são as responsabilidades do seu time de segurança, e quais os problemas exatos que seu provedor de serviços em nuvem é responsável por administrar e resolver. 

Esse modelo de responsabilidade compartilhada se aplica a qualquer serviço cloud, incluindo SaaS, PaaS, IaaS, e data centers locais.Além do mais, você precisa saber tudo sobre suas medidas de segurança na nuvem, como autenticação de dois fatores, protocolos de backup e recuperação de dados, quem possui acesso ao ambiente cloud, e quais são os procedimentos para prevenção de incidentes de segurança. Isso te ajuda a garantir que sua nuvem estará protegida, cumprindo com os requisitos de cibersegurança. Resumidamente, escolher um provedor de serviços confiável e que ofereça diversas práticas de segurança na nuvem é essencial.

Dica do Especialista

Lembre-se: o cliente cloud é sempre responsável por seus próprios dados, independente do modelo do serviço em nuvem – já que um provedor de serviço cloud garante apenas sua disponibilidade. Assim, é crucial que ele possua um sistema de backup de dados configurado, para que não haja perda de dados.

Editor

Egidijus N.

Especialista em Cibersegurança

2. Implemente Treinamentos de Segurança na Nuvem para sua Equipe

Os usuários do sistema desempenham um papel primordial na garantia da segurança na nuvem, já que são capazes de acessar dados sensíveis a partir desse ambiente. A segurança na nuvem de toda sua empresa pode ser determinada pelo quão bem cada pessoa, individualmente, consegue identificar ameaças de cibersegurança.

Se seus funcionários não forem instruídos com conhecimento suficiente para descobrir riscos cibernéticos, como emails de phishing ou ataques de malware, hackers serão capazes de acessar seu ambiente cloud com muito mais facilidade. 

Para reduzir seus riscos e ameaças de segurança, é importante oferecer treinamentos com métodos e práticas básicas de segurança na nuvem para todas as pessoas do seu time.

Estabeleça uma Solução de Segurança Endpoint 

Já que a maioria dos usuários irá acessar o ambiente da nuvem através de seus navegadores web, é vital que você garanta a segurança de endpoint. Esta é uma prática que protege os dispositivos dos usuários finais, como celulares, notebooks e computadores.

Ao fazer isso, você maximiza sua linha de frente na proteção contra ameaças hackers. Entretanto, essa prática pode ser difícil de ser implementada, já que quanto mais usuários utilizarem seus serviços cloud, maiores são as chances de você sofrer algum tipo de ciberataque.

É necessário criar e implementar uma política de segurança de senhas fortes. Por exemplo, você pode configurar um padrão de exigência para que as senhas tenham pelo menos 14 caracteres e estabelecer uma prática que faça os usuários alterarem suas senhas a cada três meses.

Adicionalmente, converse com seus funcionários sobre as medidas de segurança que eles podem implementar para melhorar a segurança de seus dispositivos de trabalho e pessoais. Por exemplo, fazer a instalação de programas de antivírus, bloquear seus computadores e sempre se lembrar de evitar utilizar redes WiFi públicas.

Além dessas técnicas, utilize ferramentas de segurança na internet, firewall, e mecanismos de detecção de intrusão para evitar atividades de risco. Ferramentas de detecção e resposta de endpoint (EDR) e plataformas de proteção de endpoint (EPP) também podem aumentar o nível de proteção e segurança na nuvem da sua empresa.

Controle os Acessos dos Usuários

Para aplicar essa prática de segurança na nuvem, você precisa criar uma política de controle de acessos. Ao fazer isso, você conseguirá gerenciar os usuários que possuem acesso aos serviços na nuvem. Por exemplo, você pode permitir que os usuários acessem apenas os dados e os sistemas que precisam para realizar suas funções. 

As empresas precisam criar grupos bem definidos de acordo com os respectivos cargos, para que assim eles acessem apenas os recursos cloud necessários. Lembre-se de evitar complexidades desnecessárias quando for implementar essas políticas. 

Para uma solução de controle de acessos, você pode utilizar um sistema de gerenciamento de identidades e acessos, que combina a autenticação de múltiplos fatores com políticas de acesso para os usuários. 

Implemente Regras de Cibersegurança

Recentemente, muitas pessoas trabalham de forma remota. Apesar de possuírem ferramentas de segurança, muitos usuários tendem a utilizar o ambiente em nuvem sem seguir regras de segurança operacional. 

Você pode evitar riscos de brechas no ambiente cloud ao treinar sua equipe e implementar regras de cibersegurança. Fazendo isso, os usuários se tornam mais responsáveis quanto ao uso da nuvem.

Por exemplo, quando os usuários recebem um email suspeito, eles devem encaminhar a mensagem a um especialista em cibersegurança. Com isso, ele pode determinar se o caso é uma tentativa de phishing — o que pode ser muito perigoso para a segurança na nuvem da empresa.

Dica do Especialista

Protocolos de autenticação de múltiplos fatores, configurados para serem exigidos a qualquer momento, podem ajudar a manter a responsabilização e o gerenciamento da segurança na nuvem.

Editor

Egidijus N.

Especialista em Cibersegurança

3. Criptografe seus Dados

Transferir dados através de uma rede em nuvem adiciona riscos de exposição e vazamentos. Para proteger os dados que você envia, salva ou carrega, aplique uma das soluções de criptografia. Ao fazer isso, seus dados não poderão ser lidos por usuários maliciosos ou não autorizados.  

Os protocolos de criptografia utilizam uma chave para transformar dados legíveis em dados ilegíveis, ou um ciphertext (texto cifrado) para criptografar os dados. Apenas usuários que possuam as exatas chaves de decodificação podem descriptografar o ciphertext e tornar os dados criptografados em dados legíveis.   

Há dois tipos de chaves de criptografia:

  • Criptografia simétrica – utiliza a mesma chave para codificar e decodificar os dados, facilitando o uso desse método de segurança na nuvem.
  • Criptografia assimétrica – utiliza duas chaves diferentes: uma chave pública para criptografar os dados, e uma chave privada para descriptografar as informações protegidas.

Alguns provedores de serviço em nuvem oferecem políticas de criptografia através de proteção de dados de ponta a ponta, evitando brechas de segurança e vazamento ou roubo de informações tanto no recebimento quanto no envio de dados para o ambiente cloud. Mas se você deseja ter total controle do seu ambiente em nuvem, uma das melhores práticas é utilizar sua própria chave de criptografia antes de fazer o carregamento dos seus dados. 

4. Configure um Sistema de Monitoramento 

Você deve monitorar seu ambiente em nuvem para encontrar ameaças de cibersegurança ocultas. Fiscalize sua infraestrutura cloud e o tráfego da rede em busca de atividades suspeitas ou incomuns, como conexões remotas e acessos fora de hora. Fazer isso significa fortalecer e facilitar a avaliação da segurança do seu ambiente cloud. 

Além disso, você pode utilizar ferramentas de monitoramento de nuvem para te ajudar a supervisionar os servidores. Esses instrumentos oferecem diversas vantagens, incluindo um processo de fácil instalação, monitoramento contínuo de grandes quantidades de dados a partir de qualquer localidade, recursos de inspeção e relatórios para gerenciar o cumprimento de requisitos de segurança, bem como procedimentos de configuração rápidos e simples. 

Siga as diretrizes de segurança na nuvem indicadas abaixo para implementar as melhores práticas de proteção quando estiver monitorando seus sistemas:

  • Escolha as métricas que realmente afetam seu negócio. Você pode decidir quais atividades deseja monitorar. 
  • Registre todas informações referentes aos seus dados através de uma única plataforma, assim você evita confusões que podem ocorrer quando se utilizam diferentes fontes. 
  • Observe a experiência do usuário quando ele utilizar aplicações cloud e revise as métricas relevantes, como tempos de resposta e frequência de uso. 
  • Acompanhe os usos e taxas do seu serviço cloud — já que isso te ajuda a identificar atividades não autorizadas. 
  • Mantenha seus dados de monitoramento em um ambiente separado das suas aplicações e serviços cloud. 
  • Automatize regras com dados. Se as atividades ultrapassarem ou não atingirem certos níveis pré-estabelecidos, remover ou adicionar servidores é a solução para manter o melhor desempenho possível.
  • Teste seu sistema de monitoramento regularmente. Essa prática de proteção te ajuda a identificar quando uma brecha de segurança ou vazamento de dados acontece. 

Por outro lado, você precisa manter a visibilidade dos seus serviços em nuvem, já que eles são amplamente utilizados em múltiplas localidades e por diversos provedores. Esse tipo de configuração do sistema pode criar um ponto cego em seu ambiente cloud e reduzir sua visibilidade.

Nesses casos, garanta que você tem uma solução de segurança em nuvem que conserve a visibilidade de todo o ecossistema, te ajudando a implementar controles de acesso granular para reduzir os riscos de segurança. 

Outra ferramenta que você pode utilizar para implementar as melhores práticas de segurança em nuvem é um CASB (Cloud Access Security Broker). Trata-se de um software de segurança de acesso à nuvem que te auxilia a melhorar o controle e proteção do seu ambiente cloud. Um CASB oferece ampla visibilidade de todo o ecossistema da nuvem, gerencia complacências, aplica políticas de segurança de dados e implementa sistemas de detecção e proteção contra ameaças.

Esse software de segurança de acesso à nuvem te ajuda a defender seus dados de possíveis riscos e vazamentos, pois ele os protege dentro da infraestrutura cloud. Esta é uma das ferramentas mais recomendadas para proteção de dados em nuvem, então considere um CASB quando estiver planejando e construindo sua estratégia de cibersegurança. Os softwares mais populares para este fim incluem provedores como Microsoft, Netskope, e Bitglass.

Conclusão

Seja para suas necessidades pessoais ou para as de sua empresa, utilizar um sistema baseado em nuvem vai te ajudar a poupar dinheiro, te deixar mais seguro e escalar seu negócio para o próximo nível. 

De todo modo, é crucial levar em consideração a segurança e proteção do seu sistema cloud. Ele pode ser vulnerável a riscos por diversos fatores, como ataques DoS, ameaças internas e APIs inseguras. Além do mais, a maior parte dos riscos de cibersegurança nesses ambientes acontece quando o contratante não está implementando as políticas necessárias de segurança na nuvem. 

Então vamos recapitular quais são as melhores práticas para a sua segurança na nuvem:

  • Entenda os riscos e as responsabilidades. Garanta que você sabe quais são os riscos ao utilizar um sistema cloud-based. Compreenda quais são as suas responsabilidades e quais são os deveres do provedor cloud.
  • Treine seus funcionários. Ensine sua equipe a praticar as melhores estratégias de segurança na nuvem, fazendo com que cada usuário seja mais cuidadoso quando for utilizar os sistemas.
  • Faça a criptografia dos seus dados. Criptografar dados faz com que suas informações sejam ilegíveis para usuários não autorizados. 
  • Inclua um sistema de monitoramento. Monitorando sua segurança na nuvem, você é capaz de controlar o que acontece com seu ecossistema cloud, além de conseguir tomar as ações apropriadas rapidamente quando uma ameaça cibernética for identificada. 

Boa sorte na proteção do seu ambiente cloud! Se você possui alguma questão ou ideia quanto à segurança na nuvem, não hesite em compartilhar na seção de comentários abaixo.

Author
O autor

Bruna B. Barro

Bruna é formada em relações internacionais pela UFSC e atualmente faz mestrado em sociologia pela UFRJ. Determinada em tornar o conhecimento sobre tecnologia acessível a todas as pessoas, atua como tradutora e redatora freelancer na Hostinger. Tem experiência com tradução, localização, copywriting, gerenciamento de projetos, atendimento ao cliente e escrita acadêmica. No seu tempo livre gosta de assistir séries, cozinhar e jogar jogos de lógica.