Como Fazer um Plano de Negócios

Como Fazer um Plano de Negócios

Criar um plano de negócios é essencial na hora de tocar uma empresa. Mas com tantos aspectos para se considerar, você pode ficar em dúvida sobre como organizar as informações cruciais do jeito certo.

Vamos explicar como fazer um plano de negócios e os diferentes tipos de planejamentos que você pode adotar.

O Que é um Plano de Negócios e Qual o seu Propósito?

Um plano de negócios é um documento que explica os objetivos de uma empresa e como atingi-los. Ele contém um planejamento detalhado para as áreas de marketing, operacional e financeira de uma companhia ou de uma loja de eCommerce.

Dito isso, é essencial entender qual é o propósito de se escrever um plano de negócios. Aqui estão os motivos pelos quais você deve fazer isso:

  • Definir um foco de negócios – escrever seus objetivos e um passo a passo detalhado de como atingi-los vai ajudar você a focar nas ações necessárias para perseguir seu propósito.
  • Assegurar financiamento – investidores externos vão olhar para o seu plano de negócios para ver os seus objetivos e entender como você deseja fazer que sua empresa seja lucrativa.
  • Atrair executivos talentosos – conforme sua empresa cresce, você pode querer recrutar executivos experientes que vão dirigir ainda melhor a companhia. Eles provavelmente vão olhar par o seu plano de negócios para determinar se a sua companhia se encaixa com o estilo deles.

Um plano de negócios normalmente é útil para empresas novas ou pequenas, mas também há benefícios para a sua implementação em grandes companhias. Uma firma também pode revisitar o seu plano para ver quais objetivos foram alcançados e criar novas metas para desenvolvimento futuro — ou ainda se preparar para levar a empresa para uma nova direção.

Quatro Tipos de Planos de Negócios

Cada plano de negócios serve para um propósito diferente. Alguns planos de negócio buscam atrair novos investidores, enquanto outros focam em ganhos a curto prazo. Portanto, você deve criar um plano que corresponda à sua visão.

Confira abaixo os quatro tipos de planos de negócios, com descrições detalhadas para cada um deles.

Plano de Negócios Padrão

Um plano padrão cobre todas as áreas de negócios. Ele atende tanto a stakeholders internos quanto externos, como funcionários, possíveis investidores e fornecedores. É o modelo mais versátil, e é daí que tira o seu nome.

Vamos discutir os elementos de um plano de negócios padrão com maior profundidade mais à frente neste artigo. Mas, de modo geral, ele deve conter o seguinte:

  • Sumário executivo – trata-se de uma linha geral de alto nível do seu negócio. Você também pode tratar o sumário como um modelo para o plano de negócios completo
  • Descrição da empresa – oferece informação sobre o propósito da empresa e os seus objetivos. A descrição da empresa geralmente vem depois do sumário executivo.
  • Pesquisa de marcado – analisa os perfis de consumidores dos seus públicos-alvo, o potencial de mercado e os seus competidores.
  • Organização e equipe de gestão – introduz os membros da equipe, suas competências individuais e suas responsabilidades na organização.
  • Produtos e serviços – descreve os produtos e serviços oferecidos e como eles podem competir no mercado.
  • Plano de operações – oferece informação sobre atividades diárias e como você vai entregar seus produtos e serviços aos clientes.
  • Plano de marketing – especifica as estratégias de marketing que você vai usar para promover produtos e serviços para os clientes.
  • Plano financeiro – mostra as projeções financeiras e as premissas para um desempenho ideal da sua empresa.
  • Apêndice – contém informações adicionais que suportam a ideia principal do plano de negócios.

Plano de Negócios Inicial Resumido

O plano de negócios resumido utiliza um formato mais simples para formar o seu projeto. Ele é mais curto do que o plano padrão, pois destaca apenas as estratégias essenciais, os marcos e os números da sua empresa.

Esse tipo de plano de negócios é útil para monitorar o crescimento de uma pequena companhia. Você pode usá-lo para acompanhar o desempenho da sua empresa a partir dos seus números e das suas conquistas. Depois disso, é possível comparar os resultados com as projeções através de um relatório fiscal.

Ele tem quatro elementos essenciais:

  • Princípios orientadores – uma breve descrição do mercado-alvo, da identidade da empresa e dos seus objetivos com o propósito de monitorá-los.
  • Estratégia de execução – lista as estratégias operacionais como planos para promoções, campanhas de redes sociais e planejamento de produção.
  • Monitoramento de desempenho – define que métricas serão usadas e os números que você mira alcançar. Essa informação pode ser entregue usando KPIs e OKRs.
  • Números importantes – especifica o planejamento financeiro básico, incluindo projeções de vendas, alocação de orçamento e fluxo de caixa esperado.

Existem diversos modelos de planos de negócio disponíveis para ajudar você a criar o seu. Um dos templates mais famosos é o Business Model Canvas do Alex Osterwalder, que mapeia a sua empresa numa única página com nove componentes.

infográfico explicando por que usar o business model canvas

Plano de Negócios Sumário Executivo

Este plano de negócios é composto de uma única página. Você vai condensar nela todas as informações normalmente encontradas num plano de negócios. Esse projeto é chamado de sumário executivo.

Ele tem a sua semelhança com o plano de negócios inicial resumido, já que ambos são expressos em apenas uma página. Apesar disso, há claras diferenças entre os dois.

Primeiro que um plano de negócios sumário executivo usa resumos estruturados e redigidos para explicar o seu negócio. Já o plano inicial pula essa etapa e usa listas, tabelas ou tópicos.

Em segundo lugar, o sumário executivo é principalmente usado para apresentar uma empresa para partes externas — como investidores, bancos ou parceiros em potencial. Um plano inicial resumido, por outro lado, é mais utilizado para monitorar crescimento interno.

Plano de Negócios Completo

Um plano de negócios abrangente normalmente busca obter financiamento. É por isso que este tipo de planejamento coloca bastante ênfase no aspecto financeiro de uma empresa. Ainda assim, ele mantém outros elementos como o sumário executivo, as oportunidades de mercado e a explicação sobre o produto.

Um plano de negócios completo deve conter as seguintes informações financeiras:

  • Finanças atuais – descreve o desempenho financeiro recente de uma companhia. Elas precisam ser totalmente transparentes, já que os investidores e os credores desejam ver um retrato completo do negócio.
  • Projeções de relatórios financeiros – estima vendas futuras, gastos e fluxo de caixa. Essa informação normalmente é essencial para novas empresas que ainda não possuem receitas para demonstrar.
  • Requisitos de empréstimo – uma descrição detalhada do financiamento necessário e de requisitos de empréstimos futuros. Você pode precisar explicar porque precisa de determinada quantia de dinheiro com base nas suas projeções financeiras.
  • Planejamento de gastos – uma explicação de como você vai gastar os seus fundos. Investidores e credores vão avaliar se você possui um bom planejamento de gastos que pode render lucros e oferecer uma boa chance de você pagá-los de volta.
  • Planos de ressarcimento dos empréstimos – detalha os seus planos de ressarcimento para quaisquer empréstimos atuais ou futuros.

9 Elementos de um Plano de Negócios Padrão

Cada empresa pode escolher uma abordagem diferente para a estrutura do plano de negócios padrão, mas você ao menos deve incluir estes pontos quando for criar o seu planejamento.

1. Sumário Executivo

Essa parte vem no começo, logo depois da folha de rosto, e deve reunir em uma ou duas páginas todas as informações essenciais do plano de negócios.

É essencial escrever um bom sumário executivo, já que essa geralmente é a parte que vai criar novas oportunidades ou acabar com elas. Investidores e executivos examinam o sumário executivo para decidir se eles devem olhar mais a fundo para o plano de negócios ou simplesmente parar de lê-lo.

Recomendamos que você inclua as seguintes informações no seu sumário executivo:

Visão Geral da Empresa

O primeiro tópico é o produto ou serviço que a sua empresa vai oferecer. Explique quais são os seus produtos de maneira concisa e se você vai fabricá-los ou terceirizar a sua produção com fornecedores.

Se você está oferecendo serviços, descreva como eles podem melhorar a qualidade de vida das pessoas, e qual o tamanho do seu mercado.

Oportunidades de Mercado e Competidores

Nesta seção, você resume a análise de mercado para o seu negócio.

Escreva quem qual é o seu mercado-alvo de modo específico. Por exemplo, se você vende pães, explique em qual área ou para qual classe econômica você vai vendê-los. Afinal, isso vai influenciar o seu preço e os custos para promover seus produtos.

Também é recomendado que você trate sobre o volume do mercado de maneira detalhada, já que isso vai delinear a sua quantidade de vendas em potencial.

Procure por competidores no seu mercado. Se outras empresas miram no mesmo segmento que o seu, explique as principais diferenças que farão você se destacar do resto.

Projeções Financeiras

Com as projeções financeiras, o mais importante é explicar as fontes de receitas e a estrutura de preços de maneira breve. Também mostre as suas vendas planejadas, suas despesas e os números de receitas para ter uma visão geral do seu desempenho financeiro projetado.

Você também pode mencionar o capital necessário e como você irá financiar o seu negócio. Se você está atrás de financiamento externo, essa é a hora de explicar de quanto financiamento você precisa e como você planeja retornar esse dinheiro no futuro, seja em capitalização na empresa ou em dinheiro.

Marcos e Projeções de Crescimento

O último elemento de um sumário executivo é a sua visão para o futuro, quando a sua empresa já tiver crescido. Se o seu plano de negócios é para uma empresa já consolidada, mostre os marcos que a empresa já alcançou.

A projeção para o crescimento futuro inclui a abertura de novas filiais, a aquisição de uma certa quantidade de novos clientes, e assim em diante. Um pequeno dono de negócios pode usar isso para monitorar o crescimento da sua empresa.

2. Descrição da Companhia

O propósito da sua companhia pode ser delineado usando a missão e a visão da sua empresa. A visão deve tratar da sua ambição para a sua companhia — o que você quer que ela seja. Enquanto isso, a missão reflete o que você vai fazer para atingir esse objetivo.

Essas declarações são úteis para manter os membros da empresa alinhados, operando na direção de um mesmo propósito. Elas também têm um papel fundamental no planejamento estratégico, já que irão definir a estratégia adotada para alcançar as ambições da empresa.

O próximo passo é estabelecer os objetivos do seu negócio. Esses são um conjunto de conquistas que você quer atingir dentro de um certo período. Você pode definir objetivos para empresas em geral ou dividi-los em departamentos, como marketing, finanças ou em metas operacionais.

Na hora de determinar um objetivo, use a estrutura SMART para ajudar você a rastrear o seu progresso:

  • Specific (Específico) – mantenha cada objetivo restrito para ter um planejamento mais focado.
  • Measurable (Mensurável) – defina as métricas que vão determinar seu progresso e suas conquistas.
  • Attainable (Alcançável) – você deve poder alcançar o objetivo, baseando-se em fatos e números.
  • Relevant (Relevante) – cada objetivo deve ser alinhado com a visão e a missão da empresa.
  • Time-Based (Temporal) – defina um prazo no qual você quer alcançar o objetivo.

Por exemplo, uma empresa de consultoria pode definir um objetivo de conquistar 50 clientes no primeiro trimestre de operação. Os aspectos SMART desse objetivo podem ser divididos assim:

  • Específico – fica claro que eles estão buscando 50 clientes.
  • Mensurável eles podem rastrear o número de clientes obtidos.
  • Alcançável – 50 novos clientes num trimestre não é um alvo ambicioso demais.
  • Relevante – conquistar novos clientes é importante para o crescimento de uma empresa de consultoria.
  • Temporal – eles devem atingir seu objetivo no final do primeiro trimestre.

3. Análise de Mercado

A análise de mercado é uma parte crítica de um modelo de plano de negócios. Neste processo, você poderá reunir informações sobre os seus clientes e os seus comportamentos, além de detalhes sobre os seus concorrentes. Isso vai ajudar a estabelecer uma base para as suas estratégias de negócios.

Defina o Mercado-Alvo

O primeiro passo é determinar o mercado no qual você quer posicionar a sua empresa. Isso vai ajudar você a entender melhor as características do mercado, facilitando o desenvolvimento de uma campanha de marketing adequada, assim como o desenvolvimento de produtos relevantes.

Para determinar o seu mercado-alvo, tente encontrar quem são os seus clientes em potencial. Eles podem ser especificados usando diversos fatores:

  • Localização geográfica – decida a área onde você deseja operar com base no alcance das operações do seu negócio.
  • Grupo de idade – este é o método ideal se você está vendendo os produtos pensados para uma idade específica, como álcool, trajes de negócios e brinquedos.
  • Nível de renda – este fator determina a demografia que vai se encaixar na faixa de preço dos seus produtos. Tenha em mente que o nível de renda também pode ser afetado por características geográficas e demográficas, como idade e gênero.

Para uma empresa business-to-business (B2B), você pode definir quem são seus potenciais clientes por localização geográfica, indústrias, perfis das empresas e relevância.

Volume de Mercado e Tendências

Na hora de definir o tamanho do seu mercado, você pode pesquisar a quantidade clientes em potencial que você tem. Deste modo, você terá uma ideia melhor do valor de mercado para o seu nicho.

Adicionalmente, descubra as últimas tendências daquele mercado. Por exemplo, você pode examinar se o aumento ou a redução da demanda pelos seus produtos é relacionada com um aumento da migração para sua área operacional.

Análise de Competidores e de Ambiente

Depois de identificar o seu mercado-alvo, é hora de explorar os seus concorrentes, assim como a sua posição em relação a eles.

Foque nos seus competidores diretos — empresas que vendem produtos similares ou que miram no mesmo grupo demográfico. Assim que você tiver listado todos os concorrentes, tente comparar a sua empresa com a deles, identificando seus pontos fortes e fracos.

Você pode usar a técnica SWOT — Strengths (Forças), Weaknesses (Fraquezas), Opportunities (Oportunidades) e Threats (Ameaças) — para apresentar sua avaliação.

As forças e as fraquezas representam a sua condição interna em relação aos seus concorrentes. Por exemplo, você pode listar como um ponto forte ter uma tecnologia que permite produzir bens de modo mais eficiente.

Por outro lado, se os seus concorrentes têm uma equipe de RH mais experiente, é possível listar isso como uma fraqueza sua.

Então analise o ambiente de mercado — que oportunidades você pode explorar e se existem quaisquer ameaças que precisam ser mitigadas. As oportunidades podem ser regulações governamentais favoráveis ou uma tendência de mercado positiva. Já as ameaças podem tomar a forma de novos competidores no mercado.

Essas avaliações serão úteis para a criação de estratégias de marketing e para o planejamento estratégico da companhia em geral.

4. Organização e Equipe de Gestão

Nesta seção, você precisa apresentar as pessoas por trás da ideia de negócio, assim como o papel de cada membro e as suas responsabilidades. Além disso, aponte como você organiza a todos com o objetivo de atingir seus objetivos de negócios.

Crie uma breve biografia de cada membro da equipe e destaque as suas experiências. Se você está começando uma pequena empresa, não se preocupe com lacunas na equipe de gestão. É melhor ter uma pessoa que trabalha de acordo com a sua expertise do que apenas contratar alguém por contratar.

Essa prática pode indicar a maturidade do seu plano de negócios e abrir mais oportunidades para que a pessoa certa vá se juntar ao seu time.

Não se obrigue a definir a equipe de gestão usando títulos como diretor-executivo, diretor de marketing e diretor financeiro. É tentador ter títulos de trabalho assim, mas talvez essa não seja a maneira mais efetiva de gerir uma startup.

Assim que você tiver dividido as responsabilidades dos membros de equipe, prepare uma explicação da sua estrutura organizacional, caso seja aplicável. O organograma em si até pode ser colocado no apêndice, mas você ainda vai precisar definir o fluxo de gestão de cima a baixo.

Fique livre para escolher uma estrutura vertical ou horizontal, assim como para determinar as funções na sua empresa. O que importa é ela apoiar as operações do negócio na busca por atingir seus objetivos.

5. Produtos e Serviços

Esta é a seção onde você explica que produtos e serviços você oferece.

Explique como os produtos e serviços vão satisfazer as necessidades do seu mercado-alvo. Você também pode incluir recursos e benefícios, mas não mergulhe muito fundo nas especificações técnicas — você pode deixá-las para o apêndice. Também evite usar termos técnicos para que a seção seja facilmente compreendida pelo leitor.

Outro aspecto vital do qual você precisa tratar é o que faz os seus produtos e serviços se destacarem da concorrência. Se você produz um bem com recursos superiores aos dos seus concorrentes, detalhe-os nesta seção.

De modo alternativo, você pode vender produtos similares a um preço mais competitivo. Explore como você consegue vendê-los tão barato. Por exemplo, se você fez o processo de produção ser mais eficiente, ou se obtém as matérias-primas de fornecedores mais em conta.

6. Plano de Operações

Essa seção contém uma análise detalhada dos métodos de operação da sua empresa, incluindo como os produtos e serviços são entregues aos clientes.

Você pode descrever os equipamentos usados para tocar o negócio, o fluxo operacional detalhado e os requisitos legais.

Gestão das Instalações

Primeiramente, especifique as instalações que você precisa para operar sua empresa — isso inclui o equipamento que você já tem e qualquer outro que virá a adquirir. Não se esqueça de mencionar como você irá comprar tudo. Por exemplo, se vai alugar o equipamento ou comprar seus materiais.

Não se esqueça de justificar por que tais instalações são importantes e por que você vai adquiri-las de determinada maneira. Por exemplo, se você for comprar um equipamento caro que vital para a sua produção porque não existe uma empresa que aluga aquele tipo de máquina.

Operações Diárias

Fale sobre como você realiza atividades diárias, tipo métodos de produção ou de execução de serviços — assim como controle de inventário, gestão da cadeia de suprimentos e manutenção das instalações.

Se você obtém os produtos de fornecedores, não se esqueça de explicar o processo de processamento de pedidos e de entrega dos produtos.

Para uma empresa que cuida da produção, o plano de negócios também precisa detalhar os métodos de produção. Explique onde você obtém as matérias-primas, como os transforma em bens e como é feita a entrega.

Também cite o intervalo de tempo que leva desde a aquisição da matéria-prima até o final da produção. Isso vai indicar que o seu processo de produção foi bem planejado.

Além disso, é necessário mencionar as tarefas diárias de manutenção das instalações. Se você tem um restaurante, será necessário limpar a cozinha e a área de refeição todos os dias para manter a higiene e os padrões de qualidade.

Requisitos Legais

Se a região onde você opera requer uma licença, aqui é o lugar para apresentá-la. Defina como a sua operação fez para atender toda a legislação necessária na sua indústria, incluindo regulamentações ambientais e de saúde.

7. Marketing e Estratégia de Vendas

Neste passo, você precisa desenvolver um plano de marketing para promover sua empresa para os clientes.

Posicionamento

O posicionamento de produto é o processo de desenvolver uma percepção pública do seu produto ou serviço. Isso é especialmente importante se tiverem muitos produtos similares circulando no seu mercado-alvo.

Os clientes vão comparar os seus produtos aos concorrentes e procurar por diferenciais. O seu objetivo é destacar o seu produto da concorrência ao fazer uma associação que ficará ligada à sua marca.

Exemplos comuns de posicionamento são chavões como “acessível”, “confiável”, “durável” e “simples”. Você pode escolher qualquer característica que se encaixa com o seu produto e com os objetivos da empresa.

Preço

Após definir a posição do seu produto no mercado, chegou a hora de desenvolver um modelo de preços.

Existem duas regras fundamentais que você deve seguir. Primeiramente, você precisa cobrir os custos para entregar o produto ao cliente. Em segundo lugar, o preço deve ser adequado para o mercado escolhido.

Há três abordagens para determinar o preço ideal.

  • Custo mais preço – estabeleça o preço determinando os custos iniciais e então adicione a margem de lucro.
  • Preço baseado em mercado – analise o mercado e veja quais preços seus competidores oferecem. Você pode se posicionar no mercado de entrada ou no topo da linha, dependendo do seu posicionamento.
  • Preço baseado em economia – o preço é determinado pela economia que você está oferecendo aos clientes. Por exemplo, se você vende um produto que pode economizar R$ 10 em gastos, poderá cobrar R$ 8 por ele.

Promoção

Hoje em dia, você tem diversas opções para anunciar os seus produtos e serviços. Os meios vão desde canais tradicionais de publicidade como outdoors e anúncios em revistas até canais digitais como plataformas de redes sociais.

Avalie o perfil dos seus clientes para determinar quais canais de marketing você deve usar. Cada público-alvo tem suas próprias preferências, então considere isso na hora de escolher a plataforma onde vai anunciar seu negócio.

A seguir, crie um plano de promoção de vendas para convencer os seus clientes a comprarem os seus produtos. Liquidações são consideradas uma estratégia de curto prazo e que não aumenta a lealdade dos clientes, mas ainda assim pode aumentar as vendas.

Confira alguns planos de promoção de vendas que você pode tentar:

  • Teste dos produtos – ofereça um teste grátis para que os seus clientes experimentem os seus produtos. Esse método é particularmente popular entre empresas de software.
  • Pacotes – venda produtos combinados em bundles por um preço reduzido, se comparado à sua compra em separado
  • Descontos – ofereça uma redução de preço para clientes que estão comprando novamente ou em datas festivas.
  • Produtos de tempo limitado – lance produtos que só estão disponíveis por um curto prazo. Essa estratégia explora o senso de urgência e de escassez para atrair vendas.

Canal de Vendas

Um canal de vendas é a maneira como vai entregar o seu produto ou serviço para o mercado, para que os clientes possam comprá-lo ou contratá-lo.

Em geral, os canais de venda podem ser divididos em duas categorias: diretos ou indiretos.

página de loja virtual da hostinger

Um canal de vendas direto é quando a sua companhia vende os produtos diretamente para os clientes. Isso pode ser feito através de vendas pessoais, lojas de varejo de marcas ou de sites de eCommerce da empresa.

Um canal de vendas indireto, por outro lado, é quando você usa intermediários como uma varejista ou um marketplace online para vender os seus produtos.

Seu canal de vendas ideal depende do tipo de produtos que você vende e do seu público-alvo. Por exemplo, se você vende um commodity para um mercado mais amplo, pode desejar ter múltiplos canais de vendas. Afinal, eles ajudam você a alcançar mais clientes e ainda lucrar com as vendas.

8. Planejamento Financeiro

A elaboração de um planejamento financeiro é considerada uma das partes mais assustadoras de escrever um plano de negócios. As projeções financeiras de uma empresa mostram a sua viabilidade e as áreas onde você pode melhorar.

Um plano de finanças geralmente traz a projeção da empresa para os primeiros 12 meses, junto de projeções anuais pelos próximos três a cinco anos. Se a empresa já está estabelecida, essa seção também deve incluir as declarações financeiras recentes.

Existem diversos pontos que você deve incluir nesta parte do seu plano de negócios.

  • Balanço patrimonial – uma visão geral da saúde do negócio. Ele lista os ativos, os passivos e a equidade da empresa.
  • Projeção de vendas – uma expectativa geral de quantas vendas você consegue realizar. Você também pode incluir o Custo dos Bens Vendidos (COGS) para ter uma ideia de quanto lucro bruto você tem com cada categoria de produtos.
  • Declaração de renda – esta declaração vai mostrar se a sua empresa vai lucrar ou ter prejuízo. A declaração de renda pega os números da projeção de vendas e os coloca junto dos outros gatos de tocar o negócio.
  • Demonstrativo de fluxo de caixa – não confunda com a declaração de renda. O demonstrativo de fluxo de caixa registra o fluxo de entrada e de saída do seu dinheiro. O seu propósito é mostrar quando dinheiro passa pela sua empresa. Ele também ajuda a planejar gastos futuros, já que você pode projetar quanto dinheiro terá em determinado momento.
  • Análise do ponto de equilíbrio – para uma empresa nova, a análise de ponto de equilíbrio mostrará as vendas necessárias para se tornar lucrativo, considerando os custos variáveis e fixos. Ela também ajuda a empresa a definir um objetivo para o desempenho de vendas.

Prever o seu futuro financeiro requer algumas suposições. Trabalhe em deduções para avaliar em que circunstâncias sua empresa pode seguir essas projeções. Por exemplo, você pode presumir que a tendência do mercado vai se manter pelos próximos anos.

9. Apêndice

Esta seção contém algumas informações adicionais para esclarecer ou enfatizar os elementos anteriores do plano de negócios.

Você pode incluir dados adicionais como:

  • Organogramas
  • Documentação de produtos ou instalações
  • Informações sobre pesquisas de mercado
  • Projeções financeiras adicionais
  • Acordos legais

Dicas Práticas para Transformar seu Modelo num Plano de Negócios de Verdade

Produzir um modelo de plano de negócios pode ser desafiador para um empresário. Aqui estão algumas dicas para ajudar você a escrever um plano de negócios, seja para uma pequena ou uma grande empresa:

  • Seja realista – ofereça um plano de ação lógico e projeções financeiras para atingir seus objetivos. Não se esqueça de ser sincero em relação aos seus recursos e capacidades.
  • Tenha clareza – foque em entregar as informações mais importantes. Escreva de maneira concisa e evite encher linguiça, pois os investidores não vão querer ler um plano de negócios excessivamente longo.
  • Use tabelas e gráficos – apresente os dados usando tabelas e gráficos para facilitar a interpretação.
  • Conteúdo acima da forma – não pense demais sobre a formatação. Você até pode experimentar com a apresentação do plano de negócios, mas apenas se já tiver certeza que ele possui todas as informações essenciais.
  • Conheça seu público – você pode querer ajustar o seu tom e o estilo dependendo da sua audiência e da indústria onde opera. Sinta-se livre para trabalhar de modo criativo com a sua formatação para atrair a atenção do leitor, mas não se esqueça de priorizar o valor do seu conteúdo.

Conclusão

Ter um plano de negócios é crucial quando você está desenvolvendo a sua empresa. Ele cria um quadro de referência para a sua operação e age como uma diretriz para a equipe. Além disso, ele pode ajudar você a atrair investidores.

Existem diversos tipos de planos de negócios, portanto escolha aquele mais alinhado com a sua visão. Desde que você entregue todas as informações importantes e inclua os elementos essenciais, o seu plano de negócios vai lhe ajudar a atingir seus objetivos.

Agora que você aprendeu a escrever um plano de negócios, chegou a hora criar o planejamento da sua empresa. Boa sorte!

Author
O autor

Carlos E.

Carlos Estrella é formado em jornalismo pela UFSC e tem as funções de redator, tradutor e SEO na Hostinger Brasil. Já trabalhou com jornalismo de games e tecnologia e hoje aplica essa experiência escrevendo posts e tutoriais no blog da Hostinger. Suas paixões incluem games, dar rolês com a namorada e amigos e ler artigos aleatórios da Wikipédia de madrugada.